Mulher, Educação e Cultura

“Educação, Cultura e Ciência: o papel da mulher no desenvolvimento dos valores sociais, culturais e científicos”

As primeiras escolas criadas no Brasil Colônia eram somente para meninos e homens da elite. 

As escolas femininas foram criadas em 1827, com o objetivo de preparar a mulher para as atividades domésticas. Existiam escolas para meninos e escolas para meninas.

Com o tempo, pelas lutas promovidas para vencer a discriminação por ser simplesmente mulher, vem conseguindo aumentar o seu espaço nas estruturas sociais e, também, se tornar responsável por seus avanços.

Em 1879 conquista o direito de cursar uma Faculdade e em 1932, o direito de votar.

O reconhecimento da igualdade de direitos entre homens e mulheres veio em 1945. 

Em 2006, a Lei Maria da Penha é promulgada  e cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Em 2015, promulga-se a Lei do Feminicídio. 

Na sociedade atual, tem grande importância e exerce cada vez mais um papel de protagonista, mesmo com a herança histórica do patriarcalismo. História que se faz presente no seu dia a dia.

Pesquisa da Trajetória da Mulher na Educação Brasileira (1996 a 2003), aponta que são maioria em quase todos os níveis de ensino, especialmente nas universidades; têm um tempo médio de estudos superior ao dos homens, tornando-se cada dia mais alfabetizadas; e apresentam melhor desempenho escolar.

Atualmente, segundo dados da pesquisa Trajetória da Mulher na Educação Brasileira (1996 a 2003), as mulheres são maioria em quase todos os níveis de ensino, especialmente nas universidades; têm um tempo médio de estudos superior ao dos homens, tornando-se cada dia mais alfabetizadas. Os dados da UNESCO, mostram que as mulheres representam apenas 28% dos pesquisadores do mundo. Algumas, deixaram seus nomes marcados na história pela promoção e propagação do conhecimento. Com o objetivo de incentivar a participação da mulher na  produção do conhecimento e na ciência, promovendo, também, a igualdade de gênero, a ONU criou o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, celebrado no dia 11 de fevereiro.